sábado, 11 de julho de 2009

Autoajuda ‘não beneficia pessoas com baixa autoestima’

Repetir frases positivas faz parte de algumas terapias.
Repetir pensamentos positivos para si pode acabar tendo efeito contrário ao desejado em indivíduos com baixa autoestima, afirma um estudo de pesquisadores canadenses.
Segundo o estudo, frases encorajadoras e positivas a respeito de si funcionam apenas para quem já tem autoestima alta.
Os pesquisadores das universidades de Waterloo e de New Brunswick pediram a participantes do seu projeto que repetissem para si mesmos a frase “sou uma pessoa adorável”. Depois, eles analisaram a impressão dos participantes sobre si.
No grupo com baixa autoestima, os que tentaram este recurso de autoajuda se sentiram piores do que antes. Já pessoas com alta autoestima se sentiram – levemente – melhores após repetir o mantra positivo.
Os psicólogos pediram então que os participantes listassem pensamentos positivos e negativos a respeito de si. Eles descobriram que, paradoxalmente, aqueles com baixa autoestima se sentiam melhor quando podiam ter pensamentos negativos a respeito de si, e não quando eram obrigados a se focar nos pontos positivos.
Em um artigo na revista científica Psychological Science, os cientistas sugerem que, assim como elogios exagerados, asseverações puramente positivas tais como “eu me aceito completamente” podem produzir pensamentos contraditórios em indivíduos com baixa autoestima.
“Repetir afirmações positivas pode beneficiar algumas pessoas, como indivíduos com alta autoestima, mas sair pela culatra no caso das pessoas que mais precisam deles”, afirmou a psicóloga que coordenou a pesquisa, Joanne Wood.
Ela destacou, entretanto, que os pensamentos positivos funcionam como parte de uma terapia mais ampla.
A ideia de que as pessoas devem “se ajudar” a fim de se sentir melhor foi elaborada há 150 anos pelo médico escocês Samuel Smiles. Seu livro sobre o tema, que trazia orientações como “os céus ajudam aqueles que se ajudam”, vendeu 250 mil cópias.
Hoje, o negócio da autoajuda virou uma indústria multibilionária.
Fonte: BBC

5 comentários:

Vanessa Dias disse...

Eu acho que foi uma investigação muito duvidosa. Como podemos provar que pessoa X fez tudo direitinho, ou seja, pensou X horas positivamente sobre si mesmo? E depois é muito difícil uma pessoa com baixa auto-estima pensar diaria e positivamente sobre si mesmo. Eu acho que quando temos pensamentos positivos de verdade, tudo melhora, e eu não tenho uma auto-estima tão grande assim... só que é difícil manter.
Adorei o seu espaço!

Cris Fênix disse...

Eu discordo da colega acima em partes. Ultimamente ando com minha auto estima muitas vezes lá em baixo e sempre procuro usar palavras posivas para me animar, porém nem sempre funciona. Às vezes tais palavras me deixam mais para baixo ainda. É estranho quando isso acontece... mas eu fico mais chateada e só quero ficar quietinha. Tem horas que a gente quer apenas ficar quieta.
Beijos

Tay disse...

Meninas... minha auto-estima não é baixa normalmente, porém quando me sinto pra baixo algumas vezes é fácil subir... Com esta pesquisa me pus a pensar no quanto é importante o auto-conhecimento, porque é através deste que podemos nos perceber verdadeiramente ao lidar com situações que se colocam em nossas vidas!!!

Glaucia disse...

baixa auto estima???
acho q a minha nem baixa mais eh ja sumiu mesmo....
eh como esta escrito qto mais falo pra mim mesma q nao tenho motivos pra estar mal e qto mais outras peaaosa falam pra mim ammesma coisa, fico ainda pior.... parece q alem do fundo do poço começa a chover e ficar mais ecuro umido e frio...
ainda vou descobrir o q vai me impulsionar pra vida novamente... afinal como minha razao diz.... eu tenho tudo pra ser 1000%

Tay disse...

É isso aí Glaucea, a vida por si corre os dias, porém com fé, determinação e coragem é que se dá o primeiro passo... Firme e forte, embora em momentos não tão bons, pois se há certeza em ti de que irão passar é porque assim será!!!Beijo!